Por que o escritório do século XXI ainda não foi desenhado

Por que o escritório do século XXI ainda não foi desenhado

O escritório tradicional está defasado, precisa ser redesenhado”, diz Kevin Kuske, CEO da firma americana de arquitetura izzy+. O layout do escritório atual, nas suas duas versões (cubículo e espaço aberto), está completando 50 anos. Em 1963, o open office, espaço de trabalho horizontal, sem paredes, foi implementado pelo arquiteto alemão Walter Henn na sede da Osram, em Munique. Já o cubículo, módulos em forma de baia, foi criado em 1964 pela firma de arquitetura Herman Miller. Na última década, o redesenho do escritório limitou-se à abolição do cubículo, em favor do espaço aberto. Nos Estados Unidos, 70% dos escritórios seguem o layout sem paredes. Mas, de acordo com estudo da faculdade de arquitetura da Universidade de Sydney, na Austrália, os profissionais estão cada vez mais insatisfeitos com a arquitetura aberta, queixando-se da falta de privacidade e de concentração. “A dicotomia ‘cubículo x escritório aberto’ é estéril. Há vezes em que o cubículo é bom e outras em que o espaço aberto é bom”, diz Kuske. Segundo o arquiteto, o moderno layout corporativo deve seguir a lógica do planejamento urbano. “Crie zonas de tarefas específicas dentro do escritório. Zonas de concentração, de colaboração, de criação e até de diversão”, diz. Alguns espaços devem ser públicos. Outros, reservados. “Os funcionários devem ter mobilidade, zona a zona. Faz mal passar de oito a 12 horas sentado”, diz. Na Klout, consultoria de mídias sociais sediada em São Francisco, nos Estados Unidos, os funcionários desejosos de concentração disputam os “closets”, pequenas tendas armadas em cantos estratégicos – e silenciosos. Já a consultoria nova-iorquina What If transformou a sala principal de reuniões num aprazível bistrô. Empresas como Boeing, Amazon, Google e Samsung estão empregando descobertas da neurociência no redesenho do ambiente de trabalho, com variações de luz e até da altura do teto. Mas ainda não surgiu o design do escritório do século 21. Talvez ele esteja sendo pensado em algum cubículo por aí.
Fonte: Época Negócios


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *