Dia do Profissional de RH

Dia do Profissional de RH

No dia 3 de junho, é comemorado o Dia do Profissional de RH – não só no Brasil, como no mundo. A importância do capacitado nessa área ultrapassa os limites nacionais. Suas funções variam de educar, ensinar, aposentar, pagar os salários, cuidar da saúde dos funcionários, resolver as pendências até intermediar o sindicato e a direção.

A história nos relata que os trabalhadores da Revolução Industrial do século XIX perderam seu espaço para a alta produtividade das máquinas e, por esta desvalorização da mão-de-obra humana, os proprietários das fábricas pagavam o preço que quisessem. Os operários se revoltaram diante da nova relação do trabalho: eram obrigados a se sujeitar à jornadas excessivas, baixíssimos salários, falta de segurança e trabalho infantil. Essas situações perduraram por muitos anos e, no Brasil, através de Getúlio Vargas, as leis trabalhistas foram consolidadas e deram início ao setor que geria os recursos humanos dentro de uma empresa. A largada que favorecia o contato legal entre empregadores e empregados foi dada.

O especializado em RH precisa ter diploma superior em Recursos Humanos, ou superior tecnólogo em Gestão de Recursos Humanos ou Psicologia. MBA e pós-gaduações são boas opções para os que almejam se aprofundar na carreira. Ele pode atuar em diversos setores de uma companhia, sendo os mais populares: recrutamento e seleção e departamento pessoal. Sua preocupação com a ética e justiça não deve ser deixada de lado, afinal, é ele quem pauta as leis e as normas da corporação.

Para a equipe estar conectada de maneira positiva, o RH desenvolve estratégias que unam e estreitem as relações humanas. Para isso, suas características são: competência, carisma, sensibilidade, boa capacidade de observação, organização e bastante paciência para lidar com os conflitos que são gerados pela convivência de um funcionário com o outro.

A área vem acumulando novas funções. O profissional precisa do perfil empreendedor para planejar carreiras, políticas de crescimento e precisa treinar seus colaboradores para que utilizem a tecnologia conectada às estruturas de crescimento do local onde trabalha. Por exemplo, o RH pode usufruir dos meios tecnológicos para calcular o desconto da falta de um funcionário. No entanto, descontar não é o mais importante. Entender os motivos que levaram à falta ou a ausência de entusiasmo do colaborador, é função do profissional.

Hoje, os especializados nesse tipo de organização não são somente responsáveis pelas correções que davam aos funcionários e, sim, por trabalhar e aprimorar o material humano que a companhia dispõe.

Siga o Virtual Office!


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *